• Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Buscar
  • TV PONTUAL

Saúde diz que cerca de 100 médicos já aderiram a novo edital de temporários


Secretária divulga escala e afirma que profissionais faltosos serão punidos. Categoria discorda de mudança que prevê mudanças nas horas trabalhadas.


Secretária Fátima Mrué disse que médicos que faltarem a plantão serão punidos (Foto: Sílvio Túlio/G1)

A secretaria de saúde de Goiânia, Fátima Mrué, disse nesta sexta-feira (31) que incluiu médicos concursados na escala de plantão das unidades de saúde para cobrir os temporários que não aceitam os termos de contratação de um novo edital. Segundo ela, cerca de 100 profissionais já aderiram à nova proposta, indo contra posicionamento da categoria, que discorda da mudança.

A escala para a próxima semana está no site da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Além dos profissionais concursados, outros credenciados que ainda tem contrato vigente terão que trabalhar. Ainda assim, Fátima admite que pode haver gargalos no atendimento, mas ressalta que quem faltar será punido.

"[As escalas] estão completa. Não tem nenhuma unidade de saúde sem médico. Até que a gente consiga atingir o objetivo que é ter cinco médicos em cada unidade, vamos enfrentar esses problemas que são crônicos. As escalas existem, mas os médicos estão faltando. As punições já são conhecidas de todas as classes profissionais", afirmou.

Pelo novo edital, profissionais tem até o dia 22 de abril para firmar um novo acordo. Entre as diferenças, a proposta prevê 20h ou 40h de trabalho semanais. Porém, a SMS atendeu a uma reivindicação da classe para fechar contratos até 60h mensais. No entanto, mesmo assim, os médicos rejeitaram o acordo.

A secretária acredita que o impasse foi criado por um "mal entendido" e afirmou que não haverá novas mudanças no documento. "O edital está publicado, não entendo como discutir".

A procuradora-geral do município, Anna Vitória Caiado, afirmou que, quem faltar ao serviço, além de ser punido, estará infringindo o artigo 7 do Código de Ética Médica.

"Ao médico, é vedado não prestar assistência emergencial e de urgência para o qual ele está contratado. Ele está descumprindo um contrato vigente, regras contratuais. Cabe punição e serão apuradas", destacou.

O problema começou há uma semana quando foi publicada no Diário Oficial a mudança no edital de convocação dos médicos temporários. Para poder atuar, 480 profissionais teriam que assinar um acordo com base no novo documento.