• Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Buscar
  • TV PONTUAL

Corpos achados carbonizados podem ser de amigos desaparecidos, diz família


João Júnior Neto, de 29 anos, e o amigo dele, Marcus Vinícius Pinheiro, não são vistos desde quarta (5). No entanto, polícia ainda não identificou as vítimas.

João Júnior Neto e Marcus Vinícius Pinheiro estão desaparecidos desde quarta (Foto: Arquivo Pessoal/Marcela Neto; Reprodução/Facebook)

As famílias do cientista ambiental João Júnior Neto, de 29 anos de idade, e do estudante de direito Marcus Vinícius Mesquita Pinheiro, de 27, acreditam que os corpos achados carbonizados dentro em um carro em Abadia de Goiás podem ser dos dois jovens. Eles não são vistos desde a quarta-feira (5) e, segundo a irmã de João, a médica veterinária Marcela Neto, familiares providenciarão o confronto da arcada dentária para saber se, de fato, os corpos são dos amigos.

Marcela Disse ao G1 que a família, que mora em Inhumas, estava preocupada porque o João saiu com o amigo e não tinha dado notícias. Ela afirmou que o carro incendiado é de Marcos Vinicius e que não imagina o que pode ter acontecido.

“A gente estava desesperado atrás deles, aí vimos a notícia e corremos para providenciar os exames para acabar com essa angústia, mas acreditamos que seja, de fato, os dois. Não temos a mínima ideia do que pode ter provocado esta crueldade”, afirmou.

Ao G1, o irmão de Marcus Vinícius, Ruan Mesquita Pinheiro, confirmou que o carro que foi encontrado com os corpos carbonizados é de, fato, do jovem. No entanto, ele disse que, apesar disto, não está confirmado que o um dos corpos é do jovem.

Os corpos foram encontrados na noite de quarta-feira dentro de um carro em chamas, próximo a uma estrada de terra na zona rural de Abadia de Goiás, na Região Metropolitana da capital. Testemunhas relataram à polícia que um fazendeiro que passava pela região viu o carro pegar fogo e chamou a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros.

De acordo com o delegado Arthur George Vidigal, responsável pelas investigações, ainda não é possível confirmar se, de fato, as vítimas são os dois amigos.

“Estamos com diligências para começar a apurar este caso. Como os corpos estavam carbonizados, terá de se fazer um procedimento mais complexo para que eles sejam identificados. Nós não temos nenhuma pista sobre o que pode ter provocado o fogo no carro, nem quem são as duas vítimas”, afirmou ao G1.

O perito criminal Olegário Augusto, responsável por colher informações no local onde os corpos foram encontrados, afirmou que não é possível ainda sequer identificar o sexo das vítimas. Ele disse que uma das vítimas estava no banco de trás e outro no porta-malas.

"Isso não dá pra afirmar. Os corpos provavelmente vão pra Safol, que é Seção de Antropologia Forense do IML, e lá eles vão determinar estas características", afirmou.

Conforme testemunhas relataram à polícia, um fazendeiro que passava pela região viu o carro em chamas atrás de um matagal e chamou a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros. Após controlar as fogo, as equipes perceberam que havia dois corpos dentro do veículo.

Os corpos foram retirados do carro e levados para a Polícia Técnico-Científica de Aparecida de Goiânia. De acordo com o órgão, eles serão levados ao Instituto Médico Legal (IML) de Goiânia onde passarão por exames para tentar identificá-los.

Tratamento

Segundo a médica veterinária, o irmão trabalhava na fazenda da família e estava fazendo tratamento para combater uma doença no intestino. Ela afirma que ele estava com cirurgia marcada para a próxima terça-feira (11).

“Se de fato for ele, acredito que foi um livramento de Deus. Nós estávamos todos muito apreensivos com esta cirurgia e ele também. Um menino muito querido por todos, que a gente não quer acreditar que morreu desta forma, queremos crer que foi por alguma razão maior”, disse.


Carro foi encontrado carbonizado em uma mata na zona rural de Abadia de Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)