• Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
1.jpeg
Buscar
  • TV PONTUAL

Professor da UFG é suspeito de abusar de aluna em Goiânia


Segundo a polícia, vítima, que estuda em Jataí, veio para a capital com o servidor da instituição para participar de congresso.


Campus da UFG em Jataí, Goiás (Foto: Reprodução/ UFG)

Uma estudante de veterinária denunciou à Polícia Civil ter sido abusada por um professor da Universidade Federal de Goiás (UFG). A jovem, que mora em Jataí, no sudoeste goiano, relatou aos investigadores que o caso aconteceu em um apartamento de Goiânia, onde estavam hospedados para participar de um congresso.

Responsável por apurar a denúncia, a titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), Ana Elisa Gomes Martins, explicou que o abuso aconteceu em dezembro de 2016. Porém, a vítima só teve coragem de denunciar o professor no início de abril, após passar por um acompanhamento psicológico.

“A vítima relata que eles foram para um bar e depois acabou acontecendo isso. Ela alega que acordou deitada em um colchão no chão e viu ele nu, sobre ela”, disse a delegada ao G1.

De acordo com Ana Elisa, a vítima buscou a polícia em Jataí para registrar a ocorrência, mas, como o local do fato é Goiânia, a delegacia da capital que ficará a cargo das investigações.

“Estamos levantando tudo isso. Ele pode ser responsabilizado por estupro ou até mesmo por estupro de vulnerável, se ela estava sem condições de reação naquele momento”, explicou.

Processo Administrativo

A direção da UFG em Jataí informou, em nota, que tomou “todas as providências cabíveis no caso de denúncia de assédio sexual praticado por um servidor da instituição feita por uma discente durante atividade acadêmica”.

Conforme a universidade, logo que recebeu a denúncia, instaurou um Processo Administrativo Disciplinar e formou uma comissão para apurar o caso “com o direito ao contraditório e a ampla defesa a fim de apurar os fatos contidos na denúncia e aplicar as sansões cabíveis de acordo com a legislação do serviço público federal”.

Por fim, a UFG destaca que tem prestado apoio à aluna e “desaprova e repudia todo e qualquer tipo de violência, sobretudo a violência contra as mulheres”.