• Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
1.jpeg
Buscar
  • TV PONTUAL

PARTE V – ERVAS MEDICINAIS – MENOPAUSA



As Ervas Medicinais Amigas das Mulheres

“A menopausa, assim como a adolescência, é uma passagem da vida reprodutiva da mulher. Esta passagem marca o fim da fase reprodutiva e das menstruações, e é diferente para cada mulher. Ocorre mais freqüentemente na faixa etária de 45 a 55 anos, quando a mulher poderá sentir alguns incômodos, até se acostumar com a nova situação do seu corpo, como ondas de calor, secura vaginal, alterações psicoemocionais, irregularidades do ciclo ou ausência da menstruação. Para alívio dos sintomas são recomendadas plantas fitoestrogênicas e progestogênicas, sedativas, tônicas, remineralizantes, depurativas, hepáticas, diuréticas, e anti-sudoríparas.

Uso diário uma a três vezes ao dia, três a seis meses

Plantas indicadas: sálvia, artemísia, mil em rama, erva cidreira verdadeira, cavalinha, funcho, vitex, dente de leão.

Fitoestrogênios:

o São hormônios contidos nas plantas que mimetizam os estrogênios. o Fitoestrogênios não são a mesma coisa que os estrogênios do corpo, mas podem ter efeitos benéficos similares. o Existem diversos tipos : isoflavonas, flavonas, lignanas, terpenóides. o As isoflavonas são as mais potentes e encontradas na soja, oferecem maior proteção óssea e cardiovascular o Os terpenóides são encontrados na cimicifuga racemosa e aliviam mais sintomas psíquicos e urogenitais. As flavonas e lignanas são encontradas em cereais, frutas e vegetais. o Mecanismo de ação: competem com os receptores de estrogênio que estão presentes em quase todas as células do corpo – efeito adaptogênico, modulador ou equilibrador. Por isto podem ser usados quando há excesso ou carência de estrogênio. o Não estimulam o crescimento de tecidos sensíveis ao estrogênio. o Estudo em animais mostrou que inibem tumores de mama. o Tem atividade antioxidante (previne danos causados às células pelos radicais livres) e antiproliferativa (previne crescimento anormal das células)

Fitonutrientes

  • Além de proporcionar sabor e valor nutritivo, podem exercer ações terapêuticas, adequando os processos fisiológicos

  • Exemplo: plantas crucíferas, como o brócolis, possuem o fitoquimico índole-3-carbinol, que converte os estrogênios mais perigosos do corpo em variedades mais fracas, reduzindo o risco de câncer

  • O consumo diário dessas plantas está associado à redução do câncer de mama e demais sintomas mamários relativos aos excessos de estrogênio.Sua atividade estrogênica é menor, na faixa de um centésimo

  • a um milésimo da do estradiol.

  • São encontrados em mais de 300 plantas, dentre elas maçãs, cenouras, aveia, azeitonas, feijões e demais leguminosas, sementes de girassol e outras.

  • A soja e a linhaça são muito ricas nessa substância”

PROTOCOLO DE FITOTERAPIA EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA

“Orientações para a prescrição

Uso oral:

o Chá: 100 a 200 ml por dose duas a quatro vezes ao dia

o Tintura-mãe (TM): 20 a 50 gotas por dose duas a quatro vezes ao dia

Antes de diluir em água,deixar 15 minutos no copo para evaporar o álcool. Ir reduzindo a dose na medida em que apareça alívio dos sintomas.

Evolução aguda: uso de 10 a 20 dias

Evolução crônica: uso de 20 a 60 dias

Quando do uso prolongado, após alívio dos sintomas, manter a mínima dose diária. As plantas indicadas a seguir podem ser usadas em conjunto ou separadamente, na forma de tintura-mãe ou chá (partes iguais)

Uso local:

o Ducha vaginal:

Tintura-mãe – 15ml diluídos em 150ml de água fervida. Usar seringa descartável de cinco a 10ml ou aplicador ginecológico para a introdução do líquido na vagina. Fazer o mínimo de ducha, apenas quando exuberância do corrimento e dos sintomas irritativos, no início do tratamento.

Atenção :Na vagina existe uma protetora flora bacteriana que deve ser preservada. Por isso deve-se aplicar lactobacilos ou coalhada após medicação de uso local.

o Curativo vaginal:

Colocar 5ml da tintura-mãe em xícara. Acrescentar 50ml de água fervida ou filtrada. Mergulhar o tampão vaginal (algodão envolvido em gaze) Introduzi-lo na vagina. Retirar após 12 horas . Repetir a aplicação, se necessário, após 12 horas” “

Fonte:

(1)Elaboração: Centro de Humanização das Práticas Terapêuticas do Hospital São Pio X-CHPT – Ceres , Goiás, 2006.

Coordenação: Mila Lemos Cintra Equipe técnica: Evando de Queiroz, Lívia Martins Carneiro, Maria Esther de Albuquerque Vilela, Mila Lmos Cintra,Vitor José de Souza Machado

Referência: http://miriancintra.blogspot.com.br/p/fitoterapia.html