PONTUAL_NOTÍCIAS
LOGO_MARCA_GOIÁS_1
1
3
LOGO
1
  • Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Buscar
  • TV PONTUAL

Ouro Verde de Goiás - Dois mil frangos morrem após queda de energia de dez horas


Segundo produtora, problemas causou prejuízo de R$ 12 mil. Celg afirmou que já restabeleceu fornecimento e enviará equipe à região.


03/01/2018

A produtora de frangos Maria Antonieta Oliveira relata que perdeu dois mil animais após uma queda de energia de dez horas de duração em Ouro Verde de Goiás, no centro Goiano. No total, foram mais de seis toneladas de carne perdidas. Segundo ela, os animais já estavam prontos para o abate e o problema causou um prejuízo de R$ 12 mil. “A gente trabalha, luta, luta e quando é fé... Pode acabar [a energia], eu sei, mas que volte logo. Esse 0800 não atende a gente. Está aí o prejuízo. Eu dependo disso e não somos só nós, tem uma vizinha nossa aqui que tem uma fábrica de biscoitos, se você ver as massas jogadas fora. Não é brinquedo”, contou a produtora, desolada com a situação. A Companhia Energética de Goiás (Celg) informou à TV Anhanguera que o fornecimento de energia na região já foi restabelecido, no entanto, não explicou as causas da queda. A empresa disse ainda que encaminhará uma equipe ao local para verificar a rede elétrica. Ainda conforme o posicionamento da Companhia, os investimentos em modernização de rede foram ampliados, mas que os resultados só podem ser vistos em médio prazo.

A também produtora rural Ana Paula Oliveira explicou que os animais só aguentam até três horas sem a ventilação adequada, proporcionada por exaustores que precisam da energia elétrica para funcionar. As maquinas mantêm as granjas com temperaturas até 27°C, máxima suportada pelos frangos. Segundo ela, o problema com a falta de energia é constante. “Uma vez por semana tem essa queda longa. A gente chega a ficar até 12 horas sem energia”, comentou. Ainda segundo as produtoras, os animais mortos foram enterrados em uma vala para evitar riscos de contaminação. A granja deve receber uma visita da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa) que vai confirmar a causa da morte dos frangos. No entanto, até lá, os outros animais não podem ser comercializados.