• Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Buscar
  • TV PONTUAL

Porque o Governo Cubano tem tanto medo do "Mais Médicos" anunciado por Jair Bolsonaro?



Cesta básica cubana garante 12 dias de alimentação

O presidente eleito Jair Bolsonaro, cujo governo só será iniciado no dia 1º de janeiro do ano que vem, comentou que pretende rever as cláusulas do programa “Mais médicos” que o governo de Dilma Roussef acertou com o governo de Cuba via Opas – Organização Pan Americana de Saúde, integrante da OMS, Organização Mundial de Saúde. Pelo pacto acertado em 2013, o Brasil paga para cada médico, em 2018, cerca de 11 mil 865 reais e 60 centavos – ou 3 mil 139 dólares ao câmbio atual. Desse total, os cubanos só recebem 3 mil reais – ou 793 dólares. O restante é embolsado pelo governo de Cuba – 2 mil 346 dólares. Atualmente, existem 8 mil 556 médicos cubanos no Brasil atuando no programa “Mais médicos” – o que rende ao governo de Cuba mais de 20 milhões de dólares por mês, quase meio bilhão de dólares por ano.


Casa de carne estatal, mas nem assim acessível ao salário oficial recebido pelos cubanos

Mas, afinal, por que a ditadura cubana se revoltou com as promessas feitas pelo presidente eleito e anunciou que vai retirar imediatamente os médicos do país? O que irritou os dirigentes cubanos? São 3 pontos anunciados como intenção do futuro governo: os médicos devem receber integralmente seus salários, sem a obrigação de repassar nada ao governo cubano, eles vão poder – ao contrário do que a ditadura cubana impôs aos seus cidadãos – trazerem suas famílias, e vão ter que passar pelo exame de competência técnica, o “revalida”, que é imposto até para os médicos brasileiros formados no exterior. Por fim, Bolsonaro disse que atenderia os cubanos que entrarem com pedido de asilo no Brasil – situação, aliás, que é bastante elogiada pela intelectualidade brasileira quando se trata de povos de outras nações, como refugiados haitianos, venezuelanos ou árabes.


Havana dos cubanos

Essas condições são inaceitáveis para os padrões da liberdade imposta pela ditadura cubana aos seus cidadãos. Para se ter uma ideia, o salário médio de um cubano é de cerca de 30 dólares por mês. No Brasil, o salário de 11 mil e poucos reais mensal é um rendimento muito bom, mas fica bem longe do topo da cadeira alimentar do capitalismo. Em Cuba, 3 mil dólares mensais é uma tremenda fortuna. Pela via democrática, o governo de lá poderia aplicar uma sobretaxa de imposto aos médicos que trabalham aqui – algo equivalente a 75% -, mas isso fatalmente levaria milhares deles a optar pelo pedido de asilo.

Não é estranho, portanto, que a ditadura cubana fique apavorada com as intenções do futuro governo – que só começará efetivamente no dia 1º de janeiro. Os ditadores de lá tem pressa em acabar com o programa mesmo com o governo de Michel Temer cumprindo rigorosamente todos os ítens do que foi acertado anteriormente no governo de Dilma Roussef.