PONTUAL_NOTÍCIAS
LOGO_MARCA_GOIÁS_1
1
1
PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTALINA
4
2
ECOPLAST 2
LOGO
3
LOGO
3
1
18
ODONTOMEDY
  • Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Buscar
  • TV PONTUAL

Caiado cobra definição sobre Lei de Responsabilidade Fiscal e fim de maquiagem nas contas públicas.


Em entrevista à CBN nacional, governador apresentou quadro crítico pelo qual passa Goiás e medidas tomadas para superar a crise.


O governador Ronaldo Caiado reafirmou, durante entrevista para a CBN São Paulo nesta terça-feira (22/1), que os goianos estão pagando pelos crimes cometidos pelos ex-governadores Marconi Perillo e José Eliton (ambos do PSDB) – responsáveis pelo déficit de cerca de R$ 6 bilhões nas contas públicas.

Um dia após decretar estado de calamidade financeira no Estado, Caiado revelou que a arrecadação prevista não é suficiente para pagar o salário dos servidores públicos e as dívidas com fornecedores e prestadores de serviço.

“Estamos apresentando um retrato fiel do que está acontecendo em Goiás. Chega de orçamento ‘fake’, de maquiagem, vamos encarar realidade como é. No ano anterior, aprovaram um orçamento que previa resultado positivo de R$ 900 milhões, acabamos com R$ 3,4 bilhões negativos. Vamos atingir 82,99% com folha de pagamento do funcionalismo e mais de 30% da receita corrente em pagamento de dívidas. A conta não fecha”, argumentou.

O governador lamentou que as gestões tucanas tenham aprovado uma emenda constitucional em Goiás para fraudar as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), isentando-se de cumprir o que determina os ditames do governo federal. Para não responder pelo crime de responsabilidade fiscal, Marconi Perillo excluiu aposentados e pensionistas da base de cálculo de “gastos com pessoal”.

“Ou exigimos o cumprimento da LRF, ou dentro desse projeto de poder desses governantes populistas continuaremos a ver fraudes, manipulação nas contas públicas, para durante o período eleitoral ampliar contratação de comissionados e aumentar gastos de forma a garantir a reeleição. Essa prática inviabilizou até um Estado rico como Goiás”, alertou.

Caiado comparou a prática política de Goiás ao regime ditatorial de Nicolás Maduro, que levou a uma crise humanitária sem precedentes na Venezuela.

“É correto que a população de Goiás tenha que trabalhar para manter a máquina do Estado, para que o governo consuma mais do que 100% daquilo que os goianos produzem e pagam em impostos? Precisamos corrigir isso, pois amanhã, esses governantes irresponsáveis, populistas, vão tentar voltar, como ‘bonzinhos’, salvadores da Pátria. Mas foram eles que quebraram o Estado e precisam responder pelos crimes que cometeram”, disse.

Medidas

O governador Ronaldo Caiado destacou, durante a entrevista à CBN, as medidas que têm tomado desde que assumiu o Estado, como o corte de 20% em todas as secretarias e autarquias do governo, a implantação do compliance público, a revisão de todos os contratos firmados pela gestão passada e auditoria na folha de pagamento.

“Estamos trabalhando 24 horas por dia e decretei estado de calamidade financeira para poder dar total transparência à dimensão do caos administrativo que herdamos. Tenho mantido diálogo permanente com os servidores e com a imprensa. No último … [09:34, 22/1/2019] +55 62 9941-8799: Junta Comercial do Estado de Goiás retoma atividades e realiza quase 9 mil atendimentos em uma semana

O órgão esteve paralisado durante os 10 primeiros dias de janeiro de 2019 em razão do decreto do ex-governador José Eliton que exonerou os servidores que estavam ocupando cargos de provimento em comissão integrantes da estrutura básica do poder executivo

A Junta Comercial de Goiás (Juceg), órgão jurisdicionado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SED), apresentou hoje, 21, o primeiro balanço de atividades de 2019. Os números refletem a movimentação positiva de busca dos empreendedores e empresários pelo registro de empresas alcançada neste início de ano no Estado, depois do período normal de recessos de final de ano.

As equipes de profissionais da Juceg realizaram, de 14 a 19 de janeiro, quase 9 mil atendimentos, somados os resultados de todos os postos da Juceg, incluindo os Vapt Vupts e os condôminos. Durante o mesmo período foram emitidas 1.445 Certidões Simplificadas para abertura de empresas, 509 Certidões de Inteiro Teor, além de 47 Certidões Específicas, entre outras ações específicas da entidade. Já foram oficializadas aberturas de 509 novas empresas nesta primeira etapa.

Todos os procedimentos, registros, emissões, encaminhamentos e demais atendimentos que haviam se acumulado na primeira semana de 2019 voltaram ao ritmo normal de funcionamento. A determinação veio da nova presidente da Juceg Eliene Mendes Feitosa, que assumiu a função na segunda-feira da última semana (14).

“Não há mais pendências ou acúmulos em qualquer dos setores de atendimento ao público ou de andamento de processos que visem a abertura ou registro de empresas. Colocamos as demandas em dia, com os esforços somados de toda a equipe”, comemorou a nova presidente da Junta.

Com os atendimentos normalizados, a Junta Comercial do Estado retomou uma das excelências de sua prestação de serviços, que é a agilidade e o recorde no tempo dos procedimentos, e que incide diretamente no volume de abertura de empresas em todo o Estado. “Os processos protocolados nos balcões de atendimento da Junta estão sendo liberados no prazo médio de 5 horas”, afirma Eliene.

Aos cidadãos que tiverem interesse em abrir empresas, ou ter acesso a qualquer serviço prestado pela Junta Comercial do Estado de Goiás podem buscar atendimento nos seguintes endereços:

Rua João de Abreu, nº 116, Edifício Euro Working Concept, Setor Oeste, Goiânia.

Pelos telefones: (62) 3252-9200 e 3252-9220

Já nas cidades do interior do Estado, o atendimento da Juceg é feito nas sedes das prefeituras de cada município.