• Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
1.jpeg
Buscar
  • TV PONTUAL

👮👮 Mulheres do MST ocupam fazenda de João de Deus em Anápolis



Um grupo de mulheres pertencentes ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e ao Movimento Camponês Popular (MCP) ocuparam na manhã desta quarta-feira (13/3) a fazenda Agropastoril Dom Inácio, de propriedade do médium João de Deus. A fazenda está localizada no município de Anápolis, entre os distritos de Interlândia e Souzânia, no interior de Goiás. Conforme informações divulgadas pelo próprio MST, a área que foi ocupada pelos movimentos tem em torno de 600 hectares e fica próxima à rodovia GO-433. A ação faz parte da Jornada Nacional de Lutas das Mulheres Sem Terra que começou na última semana com mobilizações em todo país. João Teixeira de Farias, conhecido como João de Deus, ficou famoso no país e no mundo pelos seus supostos tratamentos mediúnicos, como “cirurgias e curas espirituais”. Em dezembro do ano passado, centenas de acusações e denúncias de abuso e violência sexual explodiram na mídia. Mulheres de todos os cantos do país (e também fora dele) acusaram João de Deus de ter abusado delas durante os atendimentos na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, interior de Goiás.

Em uma coletiva de imprensa realizada no dia 10/1, na Delegacia Estadual de Investigações Criminais, a DEIC, a delegada Karla Fernandes comunicou que a força-tarefa montada pela Polícia Civil para investigar os crimes cometidos pelo médium João de Deus encerrou, oficialmente, todos os seus procedimentos. De acordo com a delegada na ocasião, dos sete inquéritos abertos, João de Deus foi indiciado por quatro. O restante dos inquéritos conclusos foi remetido com relatório para arquivamento. A delegada relatou na época que os indiciamentos por abuso sexual só foram possíveis porque foram denunciados e investigados no prazo hábil diante da lei. Quanto aos outros, mesmo as investigações apontando indubitavelmente para a existência do crime, foram arquivados pela extinção de punibilidade. “O crime existiu, mas não pode ser punido” devido ao tempo transcorrido, explicou a delegada.