PONTUAL_NOTÍCIAS
LOGO_MARCA_GOIÁS_1
1
1
PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTALINA
4
2
ECOPLAST 2
LOGO
3
LOGO
3
1
18
ODONTOMEDY
  • Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Buscar
  • TV PONTUAL

Aedes aegypti: infestação cai mas permanece em faixa de alerta



Vinte e sete municípios estão em situação de risco

O último Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) aponta que a infestação do mosquito Aedes aegypti em Goiás reduziu de 2,05% nos imóveis para 1,78%, em comparação com o mesmo período de 2018. Os dados foram divulgados pela Secretaria da Saúde de Goiás (SES-GO) nesta terça-feira, 26, e significam que, de 10 mil imóveis visitados, 178 estavam com focos do vetor. Apesar da diminuição, o Estado ainda continua na faixa chamada de “alerta”, que é de 1% a 3,9% de infestação. “A infestação média diminuiu, mas 27 municípios estão em situação de risco, com níveis acima de 4%, por isso é um cenário que exige atenção dos gestores. Com esses dados, eles poderão dar um caminho bem objetivo aos seus programas de controle do Aedes, com sensibilização e ações de manejo ambiental”, diz o coordenador-geral de Combate ao Aedes, Marcello Rosa. Também chama atenção o fato de haver municípios com infestação de 12,6%, que é o caso de Aporé, no Sudoeste goiano. Segundo Marcello, apesar de o município ser pequeno, isso demonstra que existem locais que precisam de intensificação do trabalho de campo, aliado à fiscalização permanente.

O LIRAa indica ainda que os criadouros predominantes (lixo e reservatório de água ao nível do solo) são crônicos, o que reforça a constatação do coordenador sobre da falta de zelo dentro dos imóveis por parte da população.

Comportamento humano

Marcello salientou que o comportamento humano está associado à infestação. “A grande maioria dos criadouros foi encontrada dentro dos domicílios, o que significa que o próprio cidadão está colocando a população em risco. Sobre o descarte de lixo, por exemplo, é inaceitável que mesmo com a conscientização e com as coletas adequadas do lixo feito pelas prefeituras, as pessoas não realizem o descarte correto”, disse. Segundo o coordenador, é preciso uma soma de esforços, tanto do poder público, como – e principalmente – da população, para melhorar os índices. E acrescentou a importância da vigilância no papel de fiscalizar e, caso tenha reincidência, fazer a autuação e tomar as medidas administrativas cabíveis.

Foto: Divulgação Ministério da Saúde

Comunicação Setorial da Secretaria da Saúde de Goiás Mais informações: (62) 3201-3784, 3201-3816 e 3201-3811