• Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Buscar
  • TV PONTUAL

"Hayek previu o colapso da Venezuela há 75 anos"


"Um manifestante da oposição anda perto de um ônibus em chamas durante confrontos com soldados leais ao ditador venezuelano Nicolas Maduro (Foto: Federico PARRA / AFP)| Foto: AFP


A Venezuela é uma catástrofe humana. A evidência é cruelmente visível e não pode ser explicada pelos defensores da tirania. Muitas pessoas apaixonadas por teorias desmascaradas há tempos nutriam grandes esperanças de que na Venezuela — apesar da enorme evidência histórica e empírica demonstrando o contrário — a promessa do socialismo funcionaria, não haveria perda de liberdades ou o país entraria em colapso.

Olhando para o século 20, deveríamos nos voltar para alguns dos mais proeminentes pensadores que viveram em condições semelhantes e dissecaram suas experiências para que nós aprendêssemos algo. A crise da Venezuela é um bom exemplo das duras lições aprendidas por uma geração, mas esquecidas pela geração seguinte.

Em 1944, Friedrich Hayek advertiu em ‘O Caminho para a Servidão” que a tirania inevitavelmente ocorre quando um governo exerce controle total da economia através do planejamento central. Mais de meio século depois, começando com a revolução de Hugo Chávez, a Venezuela iniciou seu próprio caminho para a servidão, expropriando milhares de empresas e até indústrias inteiras.

As companhias mais afortunadas partiram antes que fosse tarde demais, enquanto os negócios que restavam foram entregues aos militares venezuelanos, sob cuja supervisão eles foram negligenciados até virar ruínas. Numa típica demonstração de guerra de classes, o governo publicamente tratava os donos de empresas como antipatrióticos, gananciosos lacaios dos interesses americanos, alegando que a pobreza na Venezuela tinha sido um resultado direto de sua existência.

O Chavismo criou uma atmosfera de desconfiança em que ninguém se sentia seguro o suficiente para investir na Venezuela. Mais importante, os tribunais não eram mais o lugar para receber reparação. Desde 1999, o Judiciário venezuelano foi sistematicamente empilhado com juízes leais ao executivo.

Vinte anos após o socialismo se apossar do país, a Venezuela atingiu o fundo do poço em todos os índices possíveis de desenvolvimento. Hoje, 90% dos venezuelanos vivem abaixo da linha da pobreza e as taxas de inflação ultrapassam 1 milhão por cento. Um número recorde de crianças está morrendo de desnutrição, e quase todos os hospitais do país estão inoperantes ou precisam de suprimentos médicos básicos. As freqüentes quedas de energia em todo o país deixaram, às vezes, até 70% da Venezuela no escuro. A agenda socialista de Chávez pretendia estar a serviço de toda a nação, mas, como Hayek nos lembra, "a busca de alguns dos ideais mais estimados. . . [produz] resultados totalmente diferentes daqueles que esperávamos. "

VEJA TAMBÉM: Ben Shapiro: A Venezuela e o mito do socialismo bonzinho O colapso econômico da Venezuela está ligado às políticas socialistas 20 anos de chavismo: 27 textos que mostram a decadência da Venezuela bolivarianista Um jantar e outros 12 motivos para se indignar com o ditador Nicolás Maduro Quem são os endinheirados da Venezuela

Um excelente exemplo desse divórcio entre intenções e conseqüências reais é o controle de preços. Em 2014, a Lei do Preço Justo congelou o preço dos bens e serviços e estabeleceu uma pena de até 14 anos de prisão para aqueles apanhados "acumulando" ou contrabandeando comida. Há vários exemplos na história econômica que revelam as conseqüências do controle de preços, que afetam o equilíbrio estabelecido através da interação entre oferta e demanda.

O controle de preços na Venezuela deu origem a longas filas, prateleiras vazias e, finalmente, cidadãos famintos. O governo estabeleceu preços artificialmente baixos, o que resultou em uma demanda exorbitante e no consumo excessivo de bens básicos. Por outro lado, os produtores começaram a ganhar menos porque se tornou inútil vender seus produtos dentro da Venezuela.

Em vez disso, eles começaram a enviar seus produtos para o exterior ou para o mercado negro, no qual os vendedores podem ir presos por sua atividade e geralmente precisam pagar propinas para continuar operando. Esses riscos são refletidos em preços mais altos. As consequências reais das políticas equivocadas de Chavismo são reveladoras: os venezuelanos perderam uma média de dez quilos em 2017.

O governo autoritário de Nicolás Maduro sobre a Venezuela é a próxima peça do quebra-cabeça hayekiano. O sucessor escolhido por Chávez cavou um poço ainda mais fundo para o país. A explicação de Hayek de "Por que o pior chega ao topo" em seu livro ‘Caminho para a Servidão’ é particularmente útil para entender o estado atual da Venezuela nas mãos de Maduro.

Nas palavras de Hayek, em algum momento um ditador tem que "escolher entre desconsiderar a moral comum e o fracasso", neste caso o fracasso significando a perda de poder sobre as vidas das pessoas. Esta é a razão, argumentou Hayek, de que os inescrupulosos e desinibidos têm maior probabilidade de permanecer no poder em uma sociedade que tende ao totalitarismo. Tragicamente 75 anos após a publicação de ‘Caminho para a Servidão’.

Maduro e seus apaniguados têm respondido ao clamor de mudança dos famintos e desesperados colocando coletivos revolucionários ultraviolentos em ação na esperança de que milhões de pessoas recebam a mensagem: fiquem quietinhos em casa, e assistam — impotentes — como a noite da ditadura continua os engolfando.

Enquanto a maioria dos venezuelanos sofre, Maduro janta em restaurantes luxuosos e presenteia sua família com aventuras extravagantes. O comportamento corrupto do presidente é um reflexo de seu círculo íntimo, composto quase inteiramente de vigaristas.

Para citar alguns, Diosdado Cabello, segundo no comando, que serviu como presidente da Assembléia Constituinte sob Maduro, é o chefe de uma organização internacional de tráfico de drogas Conhecido como o Cartel de los Soles, juntamente com Néstor Reverol, ministro do interior e da justiça.

Os sobrinhos de Maduro, conhecidos na mídia como os narco-sobrinhos, estão presos nos Estados Unidos por seu envolvimento com o tráfico de drogas. Enquanto isso, o ex-vice-presidente da Maduro, Tarek El Aissami, agora ministro da Indústria e Produção Nacional, tem agido como um embaixador para a organização terrorista Hezbollah, convidando seus militantes para treinar com as Farc na Venezuela. Estas são apenas algumas das pessoas que conduziram o país ao caos e que têm seguido Maduro fielmente, enquanto o resto do país sofre com a fome, saques, doença e pobreza extrema.

Cada dia que Maduro permanece no poder representa outro dia em que o mundo cede aos princípios destrutivos do autoritarismo. O povo venezuelano se livrará desses ladrões mais cedo ou mais tarde, mas o mundo deveria ter aprendido uma lição com Hayek, da primeira vez.

Roberto Gonzalez é um associado jurídico sênior e Liza Gellerman é pesquisadora jurídica júnior da Human Rights Foundation."