• Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Buscar
  • TV PONTUAL

EUA emitem mandado para confiscar navio petroleiro iraniano em Gibraltar

GIBRALTAR (Reuters) - Os Estados Unidos emitiram um mandado para confiscar um navio petroleiro iraniano, pego no conflito entre Teerã e o Ocidente, em uma última tentativa de impedi-lo de sair de Gibraltar. 


Por: Agência de Notícias Reuters - Por Marco Trujillo

17 DE AGOSTO DE 2019 / ÀS 13:43 / HÁ UMA HORA


O barco Grace 1 foi apreendido pelos fuzileiros da marinha britânica na boca ocidental do Mediterrâneo, em 4 de julho, sob a suspeita de que ele levava óleo à Síria, em violação de sanções da União Europeia. 


Gibraltar suspendeu a ordem de detenção na quinta-feira depois que o ministro-chefe do território britânico afirmou que recebeu garantias por escrito de Teerã de que a carga não seria levada à Síria.


No entanto, com o barco e seus 2,1 milhões de barris de petróleo livres para zarpar, os Estados Unidos lançaram uma apelação legal separada contra o navio, alegando que ele tem relações com a Guarda Revolucionária do Irã (IRGC), que é designada como uma organização terrorista.


Uma corte federal de Washington emitiu o mandado para confiscar o navio petroleiro, o óleo que ele carrega e quase um US$1 milhão. 


“Uma rede de empresas de fachada teriam lavado milhões de dólares em apoio a essas remessas”, disse a procuradora federal do Distrito de Columbia, Jessie Liu, em um comunicado à imprensa. 


“O esquema envolve múltiplas partes afiliadas com o IRGC e é promovido por meio das viagens enganosas do Grace 1”. 


O Departamento de Estado dos EUA não respondeu imediatamente ao pedido por um comentário sobre o mandado, cuja aplicação foi endereçada ao “serviço de Marshals dos EUA e/ou qualquer outro oficial da lei devidamente autorizado”. 


O Pentágono recusou-se a comentar, assim como o Escritório de Relações Exteriores do Reino Unido. 

Questionado na sexta-feira sobre a intervenção dos EUA, o ministro-chefe de Gibraltar, Fabian Picardo, disse que ela seria sujeita à jurisdição da Suprema Corte de Gibraltar. “Pode retornar à corte, com certeza”.