PONTUAL_NOTÍCIAS
LOGO_MARCA_GOIÁS_1
1
1
PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTALINA
4
2
ECOPLAST 2
LOGO
3
LOGO
3
1
18
ODONTOMEDY
  • Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Buscar
  • TV PONTUAL

Fernández e Macri encerram campanhas presidenciais na Argentina

BUENOS AIRES (Reuters) - O candidato da oposição argentina, Alberto Fernández, favorito para ganhar as eleições presidenciais de domingo, e o atual presidente Mauricio Macri encerraram nesta quinta-feira suas campanhas em busca dos votos que podem decidir uma eleição prevista para ser muito polarizada. 


Por: Agência de Notícia Reuters - Nicolás Misculin

24 DE OUTUBRO DE 2019 / ÀS 20:29 / HÁ 10 HORAS


Alberto Fernandez e Cristina Fernandez de Kirchner, da chapa de oposição argentina, participam de comício em Mar del Plata. 24/10/2019. REUTERS/Ricardo Moraes

Em meio a uma grave crise econômica, o peronista Fernández conquistou uma diferença de quase 20 pontos percentuais sobre o liberal Macri nas primárias de agosto, uma distância que pode se repetir, de acordo com a maioria nas pesquisas de opinião realizadas na Argentina. 


“Desde o primeiro dia vamos nos ocupar para sair do lugar em que ficaram os cinco milhões de pobres que Macri deixou”, disse Fernández a uma multidão no balneário de Mar del Plata, onde esteve acompanhado da ex-presidente Cristina Fernández de Kirchner, candidata à vice-presidência.


Em tentativa de reverter a diferença de votos, Macri iniciou um ciclo agitado em sua campanha há um mês, com ato diários, nos quais buscou levantar o ânimo de apoiadores, em baixa após o mau desempenho nas primárias. 


Nesta quinta-feira, Macri encerrou sua campanha eleitoral na província de Córdoba, o segundo distrito eleitoral do país e um dos poucos bastiões que ainda lhe restam. 


Antes disso, convocou seus seguidoresnas redes sociais para publicarem sua foto com o slogan “Sí, se puede”. 


As chances de reeleição do atual presidente despencaram com a crise econômica que começou no ano passado e levou a uma inflação de mais de 50% anual e taxas de pobreza de quase 40%.