• Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
1.jpeg
Buscar
  • TV PONTUAL

Goiás envia delegação recorde para as Paralimpíadas Escolares, em São Paulo

Com 122 pessoas, sendo 70 atletas, goianos só não estarão em maior número do que os participantes de São Paulo, Minas Gerais e Pará


Por: Secretaria de Esporte - Governo de Goiás


O Estado de Goiás está enviando sua maior delegação da história para as Paralimpíadas Escolares, que são realizadas desde 2009. Neste domingo (17/11), 122 pessoas, entre treinadores, staffs e atletas, embarcam para São Paulo, onde será disputada a 11ª edição do evento, no Centro de Treinamento do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB). A competição vai de 18 a 23 de novembro, e envolverá crianças e adolescentes de 12 a 17 anos.


A delegação goiana será a quarta maior da competição, atrás apenas da anfitriã São Paulo, Minas Gerais e Pará. Em 2018, Goiás levou 42 atletas, número que aumentou para 70 este ano, deixando ainda maior a representatividade do paradesporto goiano. Uma das modalidades a ser disputada é o parabadminton, com quatro competidores. A modalidade é uma das trabalhadas no Centro de Referência Paralímpico, localizado no Centro de Excelência do Esporte, em Goiânia.


Ana Carolina Coutinho, de 15 anos, será uma das estreantes nas Paralimpíadas Escolares. A jovem iniciou no parabadminton em julho deste ano e, mesmo com o pouco tempo de prática, vai para a sua segunda competição – já participou do Campeonato Brasiliense. “Eu tenho pouco tempo de esporte, mas já estou apaixonada por isso. Competir é uma novidade para mim, estou muito ansiosa pela viagem e pela competição”, destacou a adolescente.


Por outro lado, João Gabriel Carbajal já é veterano no evento. No ano passado o jovem de 14 anos disputou as Paralimpíadas Escolares no atletismo, correndo as provas de 75m e 100m. Em 2019 o garoto migrou de modalidade, entrando também no parabadminton. “Quando meu treinador falou do parabadminton eu nem sabia o que era, tive que pesquisar na internet. No começo do ano iniciei os treinamentos e me apaixonei pela modalidade. Já disputei as Paralimpíadas Escolares, mas agora, em outra modalidade, vai ser uma experiência nova”, contou João Gabriel, que deixou o atletismo para trás e agora quer dar sequência no parabadminton.


O secretário de Esporte e Lazer, Rafael Rahif, ressaltou o trabalho que vem sendo feito no paradesporto goiano em 2019, a partir da recriação da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel). “Estamos vivendo um divisor de águas no paradesporto goiano, desenvolvendo núcleos paralímpicos em cidades do interior do Estado e o Centro de Referência Paralímpico, em Goiânia. Com esse trabalho nós estamos descobrindo os talentos onde eles estão, e formando atletas paralímpicos, dando oportunidade a eles viverem várias modalidades”, comentou o secretário.


Goiás também será representado nas Paralimpíadas Escolares no vôlei sentado, tênis de mesa, futebol de 5, futebol de 7, bocha, basquete em cadeiras de rodas, atletismo e natação. A delegação será chefiada pelo gerente de Práticas Desportivas e Paralímpicas, João Turíbio.


Centro de Referência


Atletas como Ana Carolina e João Gabriel contarão com um incentivo a mais para o desenvolvimento de habilidades esportivas em Goiás. É que em outubro o Governo de Goiás, por meio da Seel, assinou um termo de cooperação com o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) para a instalação de um Centro de Referência Paralímpico em Goiânia.


A iniciativa contará com professores capacitados para o treinamento de atletas do paradesporto com idades entre 8 e 17 anos. O projeto vai funcionar no Centro de Excelência do Esporte. A princípio, a estrutura já existente no complexo será utilizada para trabalhar as modalidades de vôlei sentado, natação, atletismo e parabadminton.


Serão oferecidas 200 vagas para crianças e adolescentes. Além disso, haverá um espaço reservado para adultos que já estão no nível de alto rendimento. Para atender os atletas, professores goianos passaram por capacitação oferecida pelo CPB. Na oportunidade, foram replicadas as metodologias usadas no esporte paralímpico brasileiro.