PONTUAL_NOTÍCIAS
LOGO_MARCA_GOIÁS_1
1
3
LOGO
1
  • Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Buscar
  • TV PONTUAL

Goiás terá R$ 460 milhões a mais do FCO para este ano

Goiás terá R$ 460 milhões a mais do Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO) para empréstimos até o mês de dezembro. O orçamento inicial previsto para o Estado era de R$ 2.320 bilhões e passou para R$ 2.780 bilhões.


Por: Assessoria de Comunicação do Governo do Estado de Goiás


A reprogramação dos recursos do Fundo foi apresentada na segunda-feira (16), em Brasília, durante reunião do Conselho Deliberativo (Condel) da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco).


Até o mês de julho foram utilizados R$ 1.797 bilhão, sendo R$ 879.336 milhões para o FCO Empresarial e R$ 917.813 milhões para o FCO Rural.


Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e o Distrito Federal terão, juntos, R$ 1,3 bilhão a mais até dezembro.


Com a reprogramação, serão disponibilizados até o final deste ano mais R$ 460 milhões a Goiás e o mesmo valor a Mato Grosso; R$ 335 milhões a Mato Grosso do Sul e R$ 140 milhões ao Distrito Federal. Com o aporte, a região Centro-Oeste terá um total de R$ 8,4 bilhões para investimentos em 2019.


DELIBERAÇÕES


Entre as deliberações definidas durante essa reunião do Condel estão a alteração do limite financiável para capital de giro, passando de R$ 7 mil para R$ 10 mil no caso de empreendedores individuais, e de R$ 180 mil para R$ 200 mil no caso de microempresas.


A medida visa ampliar o limite financiável para os micro e pequeno empreendedores - geradores de empregos -, já que o capital de giro é um importante fator para administração financeira das empresas.

O objetivo dessa mudança é contribuir para a desconcentração do crédito, reduzindo o tíquete médio das operações do FCO.


Outra proposta aprovada foi a alteração do teto de financiamento do FCO, passando de R$ 30 milhões para R$ 20 milhões por tomador e, na assistência máxima permitida, reduzido de R$ 400 milhões para R$ 200 milhões por cliente, grupo empresarial ou grupo agropecuário. Atualmente, a demanda por crédito é maior que os valores disponíveis para financiamentos e, portanto, a proposta tem o objetivo de fazer com que o Fundo atenda a um universo maior de beneficiários.


Outra alteração importante determina que o FCO poderá viabilizar a construção de imóveis destinados à locação em centros de logística e também em complexos industriais. Essa proposta foi encaminhada pela Secretaria de Indústria, Comércio e Serviços (SIC) de Goiás.


Também foi aprovada alteração na forma da apresentação “de proposta de financiamento” no caso de valor inferior a R$ 500 mil. Antes era de R$ 1 milhão. E mediante carta-consulta a ser entregue na agência operadora, que passou para R$ 500 mil. Antes era de R$ 1 milhão. Essa proposta assegura mais transparência e garante a criação de mecanismos de controle e avaliação.


As parcerias entre a SIC e o BNDES estão em vigor e garantem que propostas acima de R$ 10 milhões foram retomadas com juros similares aos do FCO. O encaminhamento pode ser feito direto ao BNDES.


JUSTIÇA NO DIRECIONAMENTO DOS RECURSOS


O secretário de Indústria, Comércio e Serviços avalia as mudanças e diz que elas fortalecem e asseguram mais transparência na alocação via empréstimos dos recursos do FCO. Wilder lembra que as principais propostas aprovadas na última reunião do Condel foram apresentadas pela SIC.


Wilder Morais diz ainda que Goiás tem pressa de crescer, deixar o cenário de crise para trás e retomar o caminho do crescimento econômico com geração de emprego e renda. “Com esse incremento de recursos no FCO, de forma paritária entre o empresarial e rural, os empresários terão mais recursos para iniciarem ou incrementarem os seus negócios ainda este ano”, informa.