PONTUAL_NOTÍCIAS
LOGO_MARCA_GOIÁS_1
1
3
LOGO
1
  • Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Twitter Basic Square
  • Instagram Social Icon
  • YouTube Social  Icon
Buscar
  • TV PONTUAL

Homem fica soterrado até o pescoço após barranco desmoronar durante obra em Goiânia

Bombeiros fizeram o resgate do ajudante de pedreiro durante quase cinco horas. Familiares da vítima acompanharam o trabalho dos militares, que foi minucioso para evitar um novo acidente.


FONTE: G1


Um ajudante de pedreiro foi soterrado até o pescoço nesta quinta-feira enquanto trabalhava em uma obra no Setor Balneário Meia Ponte, em Goiânia. Os bombeiros trabalharam por cerca de cinco horas no resgate. Ele foi socorrido e levado para o hospital.


De acordo com o Corpo de Bombeiros, Gil Jorge de Carvalho, de 35 anos, o acidente aconteceu depois que um poste de energia elétrica se deslocou durante a escavação da obra na qual o ajudante de pedreiro trabalhava. O barranco demorou sobre o trabalhador.


Com auxílio da própria vítima, que ficou consciente o tempo todo, vários militares atuaram em um trabalho minucioso para a retirada da terra ao redor da vítima. Baldes foram usados na operação. Foi necessário fazer o escoramento da área para que não acontecesse um novo desmoronamento.


Gil Jorge de Carvalho, de 35 anos, ficou com a terra até o pescoço depois que um poste de energia elétrica se deslocou durante a escavação de uma obra, em Goiânia.


O trabalho foi acompanhado no local por familiares do ajudante de pedreiro. A esposa dele, Verônica Dias, se manteve confiante de que o marido ficaria bem.


“Eu estou esperançosa, vendo que ele vai sair bem dali. Fé em Deus que vai dar tudo certo”, afirmou Verônica, que estava no local com o filho de um ano e oito meses do casal e com a madrasta da vítima.

Segundo o tenente-coronel Fernando Augusto Caramaschi, o trabalho era muito delicado porque havia risco da terra ceder ainda mais e cobrir totalmente o operário.


“Fizemos um trabalho para aliviar a região do peito e pulmão para ele continuar respirando. Nosso trabalho é de forma lenta e gradativa para que não ocorra um novo desmoronamento. O nosso objetivo é que ele seja entregue a família com a vida à família”, comentou Caramaschi, antes da conclusão do resgate.


Após o fim do trabalho, a vítima chegou a relatar dores nas pernas e nos ombros, mas não aparentava nenhum ferimento grave. Ele passou por avaliação médica ainda no local e foi levado para o Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol).


O G1 entrou em contato com a unidade e aguarda um retorno sobre o estado de saúde do trabalhador.

Uma equipe da Defesa Civil esteve no local do acidente e vai analisar se será necessário interditar a obra, que seria para a construção de um muro.